NOME DE POBRE NO BRASIL

terça-feira, 17 de junho de 2014

JOAQUIM BARBOSA NUM POEMA DE CRUZ E SOUSA

Não tenho do ministro Joaquim Barbosa o conceito que dele fazem os que enviaram esse manifesto ao STF. E como espero que ainda esteja assegurado o direito de discordar, mesmo de amigos cujas assinaturas vejo agora nesse outro manifesto e que um dia vi um dia ao lado da minha e de outras centenas, como no famoso Manifesto dos 1046 Intelectuais contra a Censura, nos anos 70, posto aqui um poema de Cruz e Sousa que deve sintetizar a dor de Joaquim Barbosa, sobre a qual nessas horas pouco pensam. VIDA OBSCURA, de Cruz e Sousa, maior poeta catarinense todos os tempos e um dos maiores do Brasil. "Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro, Ó ser humilde entre os humildes seres. Embriagado, tonto dos prazeres, O mundo para ti foi negro e duro. Atravessaste num silêncio escuro A vida presa a trágicos deveres E chegaste ao saber de altos saberes Tornando-te mais simples e mais puro. Ninguém te viu o sofrimento inquieto, Magoado, oculto e aterrador, secreto, Que o coração te apunhalou no mundo. Mas eu que sempre te segui os passos Sei que cruz infernal prendeu-te os braços E o teu suspiro como foi profundo!" http://blogs.estadao.com.br/fausto-macedo/manifesto-ao-supremo-acusa-joaquim-barbosa-de-arbitrariedades/