NOME DE POBRE NO BRASIL

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

HISTÓRIA DA CANETA

RESUMO DO ÁUDIO do "PITADAS DO DEONÍSIO", hoje, na Bandnews com Pollyanna Bretas e Maíra Gama, às 20h30. 1) Os EUA gastaram milhões de dólares para criar uma caneta para que os astronautas pudessem escrever de qualquer posição, até de pernas pra cima no espaço. A URSS deu lápis aos astronautas russos...E não gastou nada!
2) Na volta às aulas, uma reflexão sobre a CANETA. O Inglês ainda diz PEN, presente em PEN DRIVE. Começamos com giz, lápis, depois passamos a penas de ave, molhadas em tinta para escrever. Depois foi inventada a pena de aço, espetada num pedaço de bambu, taquara ou madeira, e molhada no tinteiro. Foi quando ela ganhou o nome de CANETA, do mesmo étimo de CANIÇO. Mas era o terror das mães: manchas de tinta na roupa branca eram frequentes e era preciso usar mata-borrão.
3) Tudo foi resolvido quando o judeu húngaro Laszló Biró inventou a esferográfica. É por isso que na Argentina, no Paraguai e no Uruguai, esferográfica chama-se "birome". Um presidente da Argentina está envolvido no financiamento da invenção. Depois que a patente foi vendida ao francês Marcel Bich, para facilitar a pronúncia a caneta virou BIC. E não Bich, mais difícil de dizer. 4) Nos EUA, a patente foi vendida a Eversharp-Faber. A esferográfica ganhou o mundo pelo preço: as similares custavam R$ 10; a BIC começou a ser vendida a 29 centavos de dólares e clogo estava a apenas 10 centavos! (xx).