NOME DE POBRE NO BRASIL

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

UM ENGANO SOBRE A FEIJOADA

Na Rádio BandNews FM, hoje, com Pollyanna Bretas e Maíra Gama, falamos de comida: um prato típico, a feijoada. E desfizemos o engano de que foi inventado por escravos! Isso não é verdade! Temos meios e documentos de provar o contrário. Foram os portugueses que trouxeram e Portugal este prato, onde já existia ainda no primeiro milênio, tornando-se muito popular depois da invasão árabe, no ano 700, só que com feijão branco, aqui substituído pelo feijão-preto. A feijoada é um prato carioca! Foi inventado no famoso Restaurante G. Lobo, popular, fundado em fins do século XIX, que servia pratos bons e baratos. Era pronunciado "Globo", nome de um restaurante chique, que servia pratos finos e caros. Foi fechado em 1905 porque a rua onde ficava, desapareceu. Seu chef e proprietário alterou a receita, acrescentando arroz, laranja, couve, farofa e torresmos. Os dicionários registram mais de 170 tipos de feijão, uma palavra que veio do Grego, passou pelo Latim e chegou ao Português. Alguns com nomes muito curiosos, começando pelo feijão-carioca, feijão-frade, feijão-fradinho, feijão-padre, feijão-papa, feijão-mulato, feijão-mulatinho, feijão-mulata-gorda, feijão-lagartixa. E consolidou a expressão feijão-com-arroz, comida típica do brasileiro, que designa a simplicidade no modo de dizer e fazer as coisas. O caminho foi o seguinte: a feijoada portuguesa virou feijoada à brasileira, registrada no jornal Diário de Pernambuco, na edição do dia 7 de agosto de 1833. Em 1848 o mesmo jornal anunciava a venda de toucinho. No dia 6 de janeiro de 1849, o Jornal do Commércio, do Rio, anuncia que que "o Novo Café do Commércio servirá feijoada à brasileira às terças e quintas-feiras". A feijoada era comida da elite até então!