NOME DE POBRE NO BRASIL

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

PIZZA, SALADA, FILÉ: QUEM OS INVENTOU?

A pizza Margherita, com muçarela, tomate e manjericão, para indicar as três cores da bandeira italiana, foi inventada por um pizzaiolo chamado Raffaele Esposito. A rainha Margherita visitava Nápoles em 1889 e ele resolveu homenageá-la. E quem inventou a Salada Caesar, pronunciada “Tcízar” no Brasil, sem que traduzam salada? Na década de 20, com a vigência da Lei Seca, o ítalo-americano Caesar Cardini abriu um restaurante em Tijuana, no México, na fronteira com os EUA, para poder atender os clientes de San Diego, na Califórnia, onde ele não podia vender bebidas alcoólicas. Atravessar a fronteira para comer a célebre salada tornou-se pretexto de pessoas simples e famosas.
E no entanto o prato nasceu acidentalmente. O restaurante encheu demais num certo dia, e o seu proprietário não sabia o que fazer. Havia apenas alface, azeite, alho, ovos, pão e limão. Pois com algumas folhas de alface, seis colheres de sopa de azeite, um dente de alho, um ovo caipira, uma colher de suco de limão, um pouco de molho inglês, uma pitada de pimenta, duas fatias de pão branco cortadas em cubinhos e 25 gramas de queijo parmesão ralado grosso, ele passou a fazer o prato para servir quatro pessoas, que se tornou apreciado por gente como Wallis Simpson (Duquesa de Windsor), Clark Gable, Yves Saint Laurent e o barão de Rothschild, que atravessavam a fronteira para juntar o prazer de comer e beber, quando a segunda atividade era crime nos EUA. “A descoberta de um novo prato traz mais alegria à humanidade do que a descoberta de uma nova estrela”,escreveu o celebérrimo gastrônomo francês Anthelme Brillat-Savarin no seu livro referencial A fisiologia do gosto. E não é que me cai às mãos o livro de James Winter, Quem colocou o filé no Wellington?, que acabei de ler. O subtítulo indica o assunto: 50 clássicos da culinária: quem os criou, quando e por quê.
O Filé à Wellington do título não foi criado pelo Duque de Wellington, vitorioso sobre Napoleão em Portugal, na Espanha e principalmente na Bélgica, onde jogou a pá de cal sobre os planos do Corso na famosa Batalha de Waterloo. É verdade que no período entre 1813 e 1815, quando ele liquidou o sonho napoleônico de dominar a Europa, o exército inglês consumia 300 bois por dia. Todavia o prato não foi inventado por ele. Já Napoleão criava pessoalmente pratos para celebrar suas vitórias. Um dos mais famosos é o Frango à Marengo, criado na Primavera de 1800 para comemorar sua vitória na Batalha de Marengo, no Piemonte. É dele a frase: “qualquer exército marcha com seu estômago”. Não sei cozinhar e talvez por isso aprecie tanto quem saiba, pois admiramos mais o que não sabemos fazer e outros fazem tão bem. Não cozinho, não pinto, não danço, só toco teclado e assim mesmo exclusivamente por pauta. Escrever e ensinar, não, isso posso fazer de ouvido...e de livros. São o que ignoro menos, talvez! (xx) º Da Academia Brasileira de Filologia, professor (aposentado) da UFSCar (SP) e consultor das universidades Estácio (RJ) e Unisul (SC).