NOME DE POBRE NO BRASIL

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O BRASIL NA FEIRA DO LIVRO DE FRANKFURT

Vários escritores brasileiros dão a impressão de que falam apenas em nome de si mesmos em Frankfurt. Podem falar, mas não têm minha procuração para dizer o que estão dizendo. Muitos deles são os mesmos que só conseguem falar de si mesmos nos livros que escrevem. "De te fabula narratur", diziam os antigos romanos, mas o entendimento deles tinha complexas sutilezas, não era autobiografia. Quem só consegue falar de si mesmo, de seus familiares etc. nos romances, não sabe lidar com uma qualidade indispensável ao bom romancista, a imaginação! Penso diferente: meu tema é a vida alheia, porém inventada. E também não estou gostando nem um pouquinho das declarações de brasileiros na Feira de Frankfurt, reclamando a presença de escritores de outras etnias, de outras minorias, não sei o quê mais....O único critério a ser respeitado é o talento. De novo, estou num exército pequeno: não endosso as críticas de Paulo Coelho (se seus amigos fossem, a exclusão estaria resolvida...) nem a forma de organizar a lista. Para começar, nenhuma literatura do mundo teve, tem ou terá em qualquer tempo 70 escritores para enviar a uma Feira Internacional! As editoras, sim, essas podem mandar quantos quiserem, pois estão fazendo negócio. Mas às custas do Estado? Com o seu, o meu, o nosso dinheiro?