NOME DE POBRE NO BRASIL

sábado, 21 de setembro de 2013

COSME & DAMIÃO E OS NOMES POPULARES DAS DOENÇAS

Na semana que vem, o calendário celebra Cosme e Damião (dia 26), dois santos que foram irmãos gêmeos. Eles praticavam de graça a Medicina. Eram anárgiros, palavra de origem grega para designar quem é inimigo do dinheiro! Em vários Estados, os dois policiais que andam sempre juntos são chamados Cosme e Damião. Ou Pedro e Paulo. Ou, como ocorre com a polícia feminina, Marta e Maria. Naturalmente, todos eles têm outros nomes. Esses destinam-se a designar as duplas.
Faz mais de dois milênios que as duas duplas bíblicas (Pedro e Paulo, Marta e Maria), ambas do Novo Testamento, apareceram. Somadas a Cosme e Damião, que viveram no século III, integram essa meia-dúzia de personagens emblemáticas na cultura ocidental, que é predominantemente cristã. É provável que esses santos, irmãos gêmeos, sejam inspirados na mitologia grega. O deus Zeus se apaixona por uma mulher muito bonita chamada Leda, esposa de Tíndaro, rei da Esparta. Ardendo de amor por ela e sabendo que seria recusado, Zeus se transforma em cisne e vai nadar nas mesmas águas onde Leda está se banhando. Ela o põe no colo e o acaricia.
Meses depois, ela põe dois ovos, tendo quadrigêmeos. De um dos ovos nascem Castor e Helena. De outro, Pólux e Clitemnestra. Helene e Pólux são filhos de Zeus. Portanto, são imortais. Castor e Climnestra são filhos de Píndaro, e, portanto, mortais. Generoso, o irmão imortal divide sua imortalidade com o outro. Eles passam a morrer e a viver alternadamente. Zeus, então, fixa os gêmeos num lugar onde não possam ser separados nem pela morte: uma constelação que passa a ter o nome deles: Gêmeos.
Como Cosme e Damião praticavam a medicina de graça (na Síria, onde foram martirizados), vamos ver como é que o povo chama "no popular" certas doenças. DIARREIA deu CAGANEIRA. TOXOPLASMOSE, muito perigosa na gravidez, por resultar em má formação do feto, deu DOENÇA DO GATO, por se crer que o animal a transmite. ASCITE é barriga d´água. APENDICITE é PÊNIS, mas no feminino. “Ela foi operada da pênis”, eu ouvia na minha infância. Achava estranhíssimo. Mulher com pênis? É que o povo pronunciava “apênis” em vez de “apêndice”. Então, o médico operava da “apênis”, que soava “da pênis”, mas era o apêndice, um substantivo masculino tornado feminino na boca do povo. TENESMO (dificuldade de mijar ou de ir aos pés) é NÓ NAS TRIPAS. O TRYPANOSOMA CRUZI é BARBEIRO. "Sua filha foi picada por um barbeiro". "Mas ele disse pra ela que era engenheiro". ACNE é ESPINHA. Esta erupção na pele, comum na adolescência, nasceu do erro de um copista do Grego. Ele deveria ter escrito AKMÉ, mas copiou ÁKNE. O povo dá a todas as manchas e feridas um nome só: pereba, palavra do tupi para designar ferida. As doenças têm nomes populares que referem o que sentem, veem e sofrem os doentes. E também os familiares, seus primeiros enfermeiros. De resto, Cosme e Damião foram os últimos anárgiros. Hoje, só pagando. º Da Academia Brasileira de Filologia, escritor e professor, doutor em Letras pela USP.