NOME DE POBRE NO BRASIL

sábado, 6 de abril de 2013

OS VERSOS BRASILEIROS DE MAIAKÓVSKI

Esse negócio de repetir como papagaio tem um exemplo emblemático. Em 1970, Roberto Freire deu, sem querer, autoria errada a uns versos de Eduardo Alves da Costa, poeta de Niterói, cujos livros estão reunidos em "No Caminho, com Maiakóvski" (Geração Editorial). Ele ou a editora atribuiu a autoria ao poeta homenageado no título. Os versos tinham sido publicados dois anos antes, em plena repressão da ditadura militar: "Na primeira noite, eles se aproximam/ E roubam uma flor/ Do nosso jardim./ E não dizemos nada./ Na segunda noite, já não se escondem:/ Pisam as flores,/ Matam nosso cão, / E não dizemos nada./ Até que um dia, / O mais frágil deles/ Entra sozinho em nossa casa,/ Rouba-nos a luz,e,/ Conhecendo nosso medo,/ Arranca-nos a voz da garganta./ E já não podemos dizer nada."