NOME DE POBRE NO BRASIL

quinta-feira, 4 de abril de 2013

ANO 2045: SÓ VAI MORRER QUEM QUISER

José Cordeiro é um cientista venezuelano que trabalha para uma universidade mantida pela NASA. Semana passada, ele esteve no Rio para fazer uma palestra aos dirigentes dos câmpus mantidos pela Estácio de Sá em todo o Brasil (vinte estados da federação). Seu tema referencial foi o livro The singularity is near, de Raymond Kurzweil (filho de pai músico e mãe artista), inventor e futurista americano de 64 anos. Kurzweil assegura que por volta do ano 2045 teremos alcançado a vida eterna, ampliando consideravelmente a reposição que hoje já fazemos de órgãos como o coração, os rins, os olhos etc. Todos os órgãos já podem ser clonados, menos o cérebro. Ele diz também que os computadores vão começar a pensar entre 2029 e 2045. A Humanidade começou gerando energia com madeira, depois com carvão, depois petróleo e assim foi seguindo Hoje ainda precisamos muito de petróleo. Mas até quando? Não foi a falta de pedras que fez terminar a Idade da Pedra! Tudo indica que daqui a vinte anos não precisaremos mais de petróleo. O pré-sal é um projeto errado na hora errada. Ele deu um exemplo divertido sobre o uso do petróleo, cujo barril custa U$ 100 dólares, mais ou menos R$ 200 reais. Um boné do Mickey é vendido na Disney por preços que variam de U$ 5 a U$ 15 dólares. E ele é feito de derivados de petróleo. Com um barril de petróleo são feitos cerca de 1.000 bonés do Mickey, que rendem entre U$ 500 e U$ 15.000 dólares. Dentre as novas formas de energia que buscamos – vento, nuclear, solar etc. – a última, a solar, já vem dando resultados fáceis de serem demonstrados: há muitos anos já temos residências com energia solar, e a estação espacial é movida exclusivamente por energia solar. O autor ilustra suas projeções para o futuro com exemplos recentes. Há apenas 30 anos não tínhamos computador. Há 20 anos não tínhamos telefones celulares. Há 10 anos não tínhamos o Google. A Medicina já descobriu que a velhice é uma doença e que não é incurável. Um rato dura em média 2 anos. Mas já há ratos, geneticamente modificados, vivendo com saúde já 6 anos. Portanto, a expectativa de vida desses ratos foi multiplicada por três, gerando 200% de aumento em pouco tempo. Como somos parecidos com os ratos em 90%, haverá pessoas vivendo entre 240 e 300 anos daqui a pouco tempo! O primeiro genoma humano levou 13 anos para ser sequenciado e o projeto custou U$ 1 bilhão de dólares. Em 2013, já é possível fazer isso por U$ 2 mil dólares. E em 2018 custará apenas U$ 100 dólares e levará 1 hora apenas. Nessas projeções, em 2045 só morrerá quem quiser. Antes disso, graças às pesquisas do médico brasileiro Miguel Nicolelis, filho de Giselda Laporta Nicolelis (escritora brasileira, autora de livros infantojuvenis), talvez ocorra a conexão mundial de cérebros, semelhante àquela que já ocorre com os computadores, de que a internet é um bom exemplo. (xx) º Escritor e professor, autor de 34 livros, entre os quais A Placenta e o Caixão (reunião de crônicas aqui publicadas).