NOME DE POBRE NO BRASIL

sábado, 18 de agosto de 2012

O SEGUNDO FIM DO MUNDO

O primeiro fim do mundo deu-se com o dilúvio, tal como narra o episódio bíblico da Arca de Noé. A data acima é uma interpretação do calendário dos maias, bons em astronomia, que, entre os anos 1000 a.C e 900 d.C. construíram uma civilização onde hoje ficam o México e a América Central. Mas como chegaram a essa data, agora divulgada por milhões de pessoas que estão assustadas ou pelo menos preocupadas? É que os maias consideravam que depois de 1.872.000 dias começaria um novo ciclo, a contar de 11 de agosto de 3114 a.C., quando o mundo tinha sido criado. Anthony Aveni, astrônomo e professor universitário em Nova York, escreveu um livro sobre o fim do mundo. É "The End of Time: The Maya Mystery of 2012." Mito e realidade convivem desde que o mundo é mundo, isto é, desde que o homem está na terra e passou a registrar o que se passa. E o homem sempre voltou-se para algo superior a ele, a que chamou deus. O Sol é deus em muitas culturas. A Lua também. As estrelas também. Para nossos índios, o primeiro deus foi o trovão. Eles viam o raio despencar do céu e depois ouviam um grande estrondo. Era o deus Tupã. Ainda não sabemos como foi que a civilização maia terminou e por quê. Dos milhares de livros que os maias escreveram, só restaram três. Imaginemos que nossa civilização desapareça um dia e só restem três livros de todos os que escrevemos. O que vão achar de nós? O primeiro fim do mundo foi registrado em termos lendários e míticos pela bíblia, conjunto de livros hebraicos que têm este nome porque em grego, biblos é papiro, nome do material em que foram escritos. Todavia não foi apenas a Bíblia canônica que registrou o dilúvio. O Livro de Enoque, apócrifo, diz que Noé, que significa descanso em hebraico, era filho de um anjo com uma mulher. E dos 315 Evangelhos, apenas quatro foram escolhidos como verdadeiros. Um deles, o de São João, diz que o segundo fim do mundo será por fogo. No primeiro fim do mundo, Noé salvou sua família e um casal de cada espécie. No segundo, só vão se salvar os justos! O imaginoso São João comparou os justos a ovelhas, e os maus a cabritos. Os justos vão ficaram à direita de Deus. Os maus, à esquerda. Quer dizer, sabemos pouco ainda, os mistérios continuam. É por isso que em todo o mundo milhões de pessoas têm fé e entre elas há notáveis cientistas, escritores, artistas etc. Isto é, têm fé, não por ignorância, mas por acharem que há muito mais entre o céu e a terra do que nos é dado saber pela ciência, que ainda não explicou por que em Agosto acontecem tantas coisas estranhas. (xx)