NOME DE POBRE NO BRASIL

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

INSULTOS POLÍTICOS: ONTEM E HOJE

https://fatosfotoseregistros.wordpress.com/2016/11/10/sem-papas-na-lingua-10112016/ O áudio é cortesia de nosso amigo John Klaus Kanenberg, no blogue dele. Por iniciativa do Boechat, fizemos um arremedo de jogral, hoje, na Bandnews, trazendo para a pauta os insultos da política. No século XIX , palavras até bonitas serviram de insultos na política e algumas delas foram parar em Machado de Assis, como: LUZIA (adeptos do Partido LIBERAL, derrotados em revolta sufocada pelas tropas do então Barão de Caxias, em Luzia (MG) , SAQUAREMA (berço e moradia de políticos do Partido CONSERVADOR, na região de Saquarema (RJ), que quer dizer rico dos socós. CACETADA e não PORRADA, que veio do Latim PORRA, pedaço de pau, mas que por via vulgar tornou-se obscena. Atualmente, as ofensas passaram do plano ideológico - FASCISTA, COMUNISTA, COXINHA, PETRALHA - para as ofensas puras e simples: ESCÓRIA (que em Grego e Latim significa fezes); CALOTEIRO (de calote, operação reprovada nas feiras ou pedras do dominó que não se consegue colocar); CASCATEIRO (de cascata, porque sempre vem outra para cobrir a anterior), BANDIDO (que pertence a bando, foi banido, recebeu um sinal ou deu a si mesmo um sinal de proscrição, de proibido), LADRÃO (originalmente o soldado mercenário) e VIGARISTA (de vigário, de conto de vigário).