NOME DE POBRE NO BRASIL

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

QUE NOS DIZEM NOMES E SOBRENOMES

Fomos descobertos por Pedr´Álvares Cabral e outro Cabral governa o Rio. Ancestrais deste sobrenome tinham muitas cabras. Ou moravam perto delas! Outro Pedro, o Alcântara, ponte em Árabe, proclamou nossa independência. Deodoro da Fonseca (fonte seca) nos fez republicanos. Na presidência da República, Cardoso, adjetiva planta com espinhos. E antecedeu a Lula, um molusco. Não escolhemos nomes e sobrenomes! Se escolhesse, queria ter José no nome, por admirar a São José, que não diz uma única palavra em toda a Bíblia. Apenas faz o que é necessário. Um anjo aparece-lhe em sonhos e diz que a gravidez de Maria se deve ao Espírito Santo. Ao acordar, José abandona as desconfianças. Acredita em Maria, que engravidou sem dar para ele. E depois acredita no anjo. Era realmente um homem de boa-fé. A mando do anjo de novo, vai para o Egito, fugindo de Herodes, e volta para Nazaré, sempre por ordem de anjos, em sonhos. Bem antes de Freud, ele sabia que os sonhos trazem avisos aos quais se deve prestar atenção!
Se José estivesse vivo quando Jesus foi crucificado, a História da Salvação mudaria: o pai salvaria o filho da cruz! Ele sempre o salvou! É meu modelo de pai, aliás. Em vez de falar, faz! E deve ter cuidado de outros filhos. Um homem executado por apedrejamento no século I, é identificado como “Tiago, irmão de Jesus, o que eles chamam messias”. Há poucos anos, arqueólogos acharam sua urna funerária nos arredores de Jerusalém. No Brasil, em honra do casal, temos 14 milhões de Marias e 8 milhões de Josés. Só nos CPFs. Devem existir muitos mais. Maria tem o significado de amada de Amón, o principal deus dos egípcios. No Hebraico, virou Míriam. José veio do Hebraico Yôseph. Quer dizer Yavé, um dos nomes de Deus, acrescenta. Maria e José não tinham sobrenomes. Nem Jesus os teve! Também não tinham sobrenomes outros que tiveram mortes semelhantes à de Jesus: Teudas, Atronges, Ezequias, Judas Galileu e seu neto Menahem, Simão, filho de Giora, e Simão, filho de Kochba, e O Samaritano. Em comum, todos se proclamaram reis ou messias. São seis os principais motivos de nossos sobrenomes: 1) o lugar onde viviam nossos ancestrais: quem morava em cidades perto de matas era Silva; e eram Campos, se ali viviam; no litoral, eramCosta; 2) honras recebidas: Valente, Nobre e Bandeira remetem a comportamentos, principalmente em batalhas; 3) Aparência ou ligação com bichos: Barata, Cão, Coelho, Peixoto (peixinho), Lobato (lobinho); 4) Religião: o santo do dia é seu nome; 5) Profissão: os Penteado usavam ou fabricavam perucas, costume copiado de franceses e ingleses; 6) mesmo nome de familiares: Neto, Filho ou Júnior, Sobrinho, Genro.
E Jesus, se não teve filhos, teve sobrinhos! Obras como O Código Da Vinci insistem em que ele foi casado e teve filhos! Não acredito! Não aparece uma única mulher com ciúme dele! Enfim, nomes e sobrenomes dizem mais do que podemos supor. (xx) º escritor, colunista da Bandnews, professor (aposentado) da UFSCar (SP) e consultor das universidades Estácio (RJ) e Unisul (SC). Autor de 34 livros, entre os quais De onde vêm as palavras (17ª edição). www.lexikon.com.br