NOME DE POBRE NO BRASIL

sábado, 31 de janeiro de 2015

67 PESSOAS SÃO DONAS DE MEIO MUNDO

Vi o filme “A Toupeira”, em Lisboa, quando ele foi lançado, em 2011. O romance em que foi baseado é “Funileiro Alfaiate Soldado Espião”. Publicado em 1974, é da autoria do escritor britânico John Le Carré, um professor universitário e diplomata que trabalhou no MI6, o serviço secreto inglês, cuja sigla quer dizer “Military Inteligence, section 6”. Lá pelas tantas, o ator Gary Oldman, na pele do espião George Smiley, o mais emblemático dos personagens de Le Carré, diz que o fanático tem um ponto fraco: ele sabe que está enganado, mas não reconhece isso. O conceito aparece quando Smiley conta a um colega que um espião russo seu amigo foi torturado por americanos, perdeu as unhas de todos os dedos e voltou para a URSS com fama de traidor, sabendo que ao chegar sofreria muito mais e provavelmente acabaria fuzilado. Corta para hoje. O livro mais lido do mundo atualmente é “O capitalismo do século XXI”, uma obra de economia e política, do autor francês Thomas Piketty. (No Brasil, perde apenas para o de Edir Macedo). A tese central é: o mundo deu uma virada. O capital rende muito mais do que o trabalho. Estão ficando incomensuravelmente mais ricos aqueles que vivem de rendimentos do capital. Nem sempre foi assim. Desde o pós-guerra até a década de 1980, o crescimento da economia, produzido pelo trabalho, rendia mais do que o capital. O mundo virou de tal modo que hoje 67 pessoas têm 1,72 trilhão de dólares, a mesma quantia que têm 3,5 bilhões de pessoas, isto é, metade da Humanidade. É aí que entra o fanático. Neste janeiro de 2015, os gregos tornaram vitoriosa uma coligação de extrema esquerda e com isso colocaram um cavalo de troia em frente aos portões da zona do euro. É um presente de grego. Resta saber quem são os fanáticos. Eles ou os europeus dominados pelos alemães! Na guerra em que os gregos venceram os troianos, o cavalo estava cheio de soldados. E agora? Não sabemos. Muitos dizem que no Brasil a toupeira é a presidente Dilma! Marta Suplicy já pulou fora. Outros indicam que vão fazer o mesmo. (xx)