NOME DE POBRE NO BRASIL

sábado, 8 de novembro de 2014

MEIO SÉCULO SEM CECÍLIA MEIRELES

Faz cinquenta anos que morreu Cecília Meireles, escritora homenageada em São Carlos com o nome de um colégio. Foi Cecília Meireles quem fundou a primeira biblioteca infantil do Brasil, em 1934, aos 33 anos. E em sua obra poética destacam-se versos encantadores, escritos especialmente para as crianças, como estes: “Esta menina/ tão pequenina/ quer ser bailarina”. “Não conhece nem dó nem ré/ mas inclina o corpo para cá e para lá”. (...) “Mas depois esquece todas as danças,/ e também quer dormir como as outras crianças”. Estes versos de “Mulher ao Espelho” estavam na parede do quarto de Manuela, quando pequenina: “Já fui loura, já morena,/ já fui Margarida e Beatriz,/ já fui Maria e Madalena./ Só não pude ser como quis”.
Cecília, órfã, foi criada pela avó, pode ter encontrado refúgio no catolicismo e no espiritismo. No “Pequeno Oratório de Santa Clara”, santa de sua devoção, escreverá: “os santos, com seus serviços./ Entre os humanos tormentos,/ São exemplo e aviso,/ pois estamos tão cercados,/ de ciladas e inimigos!”. Cecília publicou o primeiro livro aos 18 anos. Três anos depois, aos 21, casava com o português Fernando Correia Dias, artista plástico, que, sempre muito depressivo, suicidou-se em 1935. Cecília voltou a casar-se em 1940, com Heitor Vinícius da Silveira Grilo, professor e engenheiro agrônomo, que, viúvo de Cecília, morreu em 1972. Para mim, sua obra solar é o “Romanceiro da Inconfidência”. Extraí das páginas mais gloriosas do longo poema os versos para as epígrafes de todos os capítulos de “Avante, soldados: para trás”, que recebeu em Cuba o Prêmio Internacional Casa de las Américas, em 1992. Alguns dias depois, na UFSCar, um colega me disse no cafezinho: “Por que será que te premiaram?”. Repliquei: “Você leu o romance?”. “Não”. “Então”. Penso que não sabe até hoje que a equipe presidida por José Saramago estava enganada. Talvez a tenham fascinado as epígrafes. º da Academia Brasileira de Filologia, escritor, professor de videoaulas à distância na Estácio (RJ), colunista da Rádio Bandnews (RJ) e diretor-adjunto da Editora da Unisul (SC).